Idoso é preso na Ilha do Mel após ser flagrado molestando menina de 7 anos

A prisão do homem ocorreu após uma senhora ter percebido ele e a menina brincando na água

Por Redação 29/09/2017 - 10:34 hs

Um idoso de 65 anos foi preso na tarde de terça-feira (26) na Ilha do Mel, em Paranaguá, após ser flagrado manipulando as partes íntimas de uma menina de sete anos numa praia em Encantadas.

A prisão do homem ocorreu após uma senhora ter percebido ele e a menina brincando na água, e uma outra criança, de cinco anos, na areia da praia. Ela desconfiou da atitude do idoso e falou para um rapaz que estava próximo do local.

Os dois abordaram o homem, não se contentaram com as explicações dadas e chamaram a Polícia Militar. O caso foi parar na Delegacia de Polícia Civil.

EXPLICAÇÕES
Aos policiais o idoso disse que era pastor de uma igreja e amigo da família das crianças e que tinha permissão da mãe delas e do padrasto para viajar com os irmãos. Ele chegou a apresentar cópia de certidões de nascimento dos dois. Ainda de acordo com o homem, ele chegou à Ilha do Mel na quarta-feira (20) e se hospedou numa pousada com as crianças.

Segundo explicou a delegada Maria Nysa Moreira Nanni, do Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente (Nucria) – que estava de plantão quando o idoso e os irmãos chegaram à 1ª Subdivisão Policial –, o idoso foi preso por estupro de vulnerável e as crianças entregues a parentes próximos, em São José dos Pinhais, onde residem.

Em entrevista a delegada explicou que elas não ficaram sob a guarda da mãe e do padrasto por estarem em situação de risco, já que nem matriculadas numa escola estão.

A mãe, o padrasto e as crianças frequentam a mesma igreja do idoso que se diz pastor.

ANJO
A delegada Maria Nysa Moreira Nanni salientou também a importância da sociedade comunicar esse tipo de crime. Disse que a senhora que denunciou o abuso foi “um anjo na vida das crianças”.

A pousada que permitiu o idoso e as crianças se hospedarem num mesmo quarto, mesmo ele não sendo parente delas, corre o risco de ter seu alvará de funcionamento cassado.

Fonte: Agora Litoral