Caminhoneiro some por 7 dias e diz ter ficado em cárcere privado

Fernandes Arruda, de 52 anos, estava na Vila São Jorge em Paranaguá

Por Redação 25/07/2017 - 10:03 hs

Fernandes Arruda apareceu machucado na UPA após, segundo ele, ter escapado de cárcere privado

O desaparecimento do caminhoneiro *Fernandes Ferreira Arruda*, *de 52 anos*, comunicado à Polícia Civil em 17 de julho por seus familiares, foi esclarecido na tarde desta segunda-feira (24) em Paranaguá, no litoral paranaense.

Fernandes Arruda disse ter sido levado até uma residência por uma mulher que conheceu num posto de combustíveis próximo à rotatória do Parque São João, mas que ao chegar no local passou por maus momentos.

Segundo explicou aos policiais, na casa da mulher, na vila São Jorge, estavam outras três pessoas (dois homens e outra mulher) e estes, de acordo com o caminhoneiro que veio de Erechim-RS a trabalho até Paranaguá, teriam lhe amordaçado e obrigado a fazer uso de drogas.

O objetivo dos bandidos era roubar o caminhoneiro, o que realmente aconteceu. *Fernandes Ferreira Arruda* disse ter ficado em cárcere privado por alguns dias e teve subtraído dinheiro, celular e outros objetos de uso pessoal. Ele teria conseguido fugir na tarde desta segunda-feira.

UPA

A Polícia Civil de Paranaguá teve conhecimento da história de Fernandes Arruda através de uma ligação da Unidade de Pronto Atendimento (UPA), que informou que um homem havia chegado ferido ao local e relatado que havia ficado em cárcere privado por alguns dias na cidade.

Imediatamente, os policiais deslocaram-se até a UPA e ouviram o relato do caminhoneiro. No final da tarde, numa ação conjunta com a Polícia Militar, quatro suspeitos foram encaminhados à 1ª Subdivisão Policial – duas mulheres e dois homens –, mas até o momento a identidade deles não foi divulgada.

Igualmente ainda não se sabe se as quatro pessoas que foram encaminhadas à Delegacia de Polícia tiveram algum envolvimento com o drama que teria sido vivido pelo caminhoneiro.

Fonte: Agora Litoral