Homem do campo ganha direito a porte de arma

O projeto de lei que concede porte rural de arma de fogo aos produtores e trabalhadores do campo foi aprovado dia 4

Por Aroldo Murá 06/10/2017 - 08:16 hs

O projeto de lei que concede porte rural de arma de fogo aos produtores e trabalhadores do campo foi aprovado, dia 4, pela Comissão de Agricultura, Pecuária, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural da Câmara Federal por 31 votos favoráveis e duas abstenções. “Esta proposta não é para armar o campo, mas sim para proteger as famílias dos agricultores e suas propriedades diante da crescente criminalidade nas zonas rurais de todo o país”, disse o autor do projeto, o deputado Afonso Hamm (PP-RS).

TRAGÉDIA AMERICANA

A decisão dos deputados vem numa hora em que o mundo amplia sua comoção pelo uso indiscriminado de armas de fogo, e facilidade de compra de armas nos Estados Unidos. A mais recente tragédia foi a de Las Vegas, com o franco atirador disparando fogo contra multidão de 20 mil pessoas.

Pelo menos 50 pessoas morreram, centenas ficaram feridas.

BANCADA DA BALA

No Brasil, o Estatuto do Desarmamento nunca deixou de ser contestado, desde sua criação nos anos 1990. O mais forte “lobby” do porte de armas de fogo é o da chamada “Bancada da Bala”, na Câmara. Ela é composta por parlamentares policiais, na maioria, e por outros vinculados ao ruralismo e, até, à indústria bélica brasileira.

DANDO UM JEITINHO

Os argumentos em favor do porte de arma para ruralistas são muitos, alguns até razoáveis. O problema será o desdobramento do uso desse benefício legal, que pode não ficar limitado ao campo, dada a notória capacidade que o brasileiro tem de acomodar situações e legislações.

BÍBLIA, BOI E BALA

O que se espera é que no Brasil não se instale um ‘lobby’ tão poderoso – guardadas as proporções entre os dois países – como a NRA (Associação Nacional do Rifle), que, instalada pertinho da Casa Branca, em Washington, alimenta, a peso de dólares, a mentalidade pró-armas de fogo dos norte-americanos.